Blogger Dicesar K.
A existência do homem é um fator de muitas indagações. Teria o homem surgido do macaco? Ou quem sabe de uma explosão cósmica? A existência do homem continua a ser um mistério para muitas pessoas.
O surgimento do homem, segundo as Sagradas Escrituras, foi do pó da terra, onde o mesmo recebeu o sopro da vida, tornando-se alma vivente (Gn 2:7). Deus deu ao homem a liberdade de atuação e todas as coisas foram sujeitas para que o homem pudesse dominar e cuidar.
Podemos observar que o homem gozava de uma comunhão com Deus (Gn 3:8b). Passou o tempo, Adão e Eva desobedeceram a Deus e foram tirados do jardim do Éden e, daí em diante, foi quebrado um dos mais perfeitos relacionamentos entre o Criador e a criatura. A quebra desse relacionamento gerou a crise da existência humana. O homem perdeu o vínculo com seu Criador e passou a viver uma vida limitada sem saber, na realidade, o que faz neste universo. Não sabe qual é o verdadeiro sentido da vida, não tem noção da vida abundante que o Criador deseja que tenha.
Se forem indagadas sobre o que é ter uma vida abundante, muitas pessoas dirão:
- é ter uma família unida;
- é ter um carro novo;
- é estar bem empregado e ganhando um bom salário.
Instalou-se uma crise no interior do homem, um vazio se formou. Este vazio é o sentimento perdido no Jardim do Éden. O homem tem procurado preencher esse vazio com várias coisas, como poder, glória, reconhecimento, status, posse de bens materiais, bebidas, drogas, sexo, etc.
Todas essas coisas são aparentes, paliativas e distorcem o verdadeiro sentido da vida. São coisas periféricas e vivemos muitas vezes em função delas.
Quantas pessoas estão achando e acreditando que têm uma vida abundante porque possuem os itens acima citados?
Não quero dizer que é errado possuir essas coisas, mas a essência da vida não se resume a isso. Parece até uma decepção falar de tudo isso, até porque existem muitas pessoas que estão com suas vidas edificadas sobre tais coisas.
Cabe, então, fazer uma pergunta: qual é a essência da vida? Qual o sentido da vida abundante que Jesus relatou no Evangelho de João, capítulo 10, versículo 10? A vida abundante que Jesus nos propõe é uma vida que tem sentido. Sabemos de onde viemos e para onde iremos. Sabemos e compreendemos que a nossa existência aqui neste mundo é para refletirmos a glória de Deus e servirmos, para que o nome de Jesus seja glorificado em nossas vidas.
A vida abundante é contrária ao que a sociedade apresenta a nós e até mesmo ao que muitas igrejas têm apresentado. A vida abundante está relacionada com o servir e se entregar por uma causa justa. É abrir mão do que temos e possuímos para juntar tesouros no céu.
Jesus deixou claro para nós que a vida é mais importante do que qualquer outra coisa. “Do que adianta o homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mt 16:26).
Às vezes, fico pensando em qual seria o sentido da vida para madre Tereza de Calcutá, para o apóstolo Paulo e para muitos outros que se doaram pela causa do Evangelho. O Espírito Santo pode gerar a verdadeira vida em nós e, ao mesmo tempo, nos libertar desta vida medíocre que levamos.
“Examinais as Escrituras porque vós cuidais ter nela a vida eterna. E não quereis virdes a mim para terdes vida”. (Jo 5:39-40).
A Palavra de Deus ministrada a nós nesses dias não é mera palavra, mas palavra de vida, viva, eficaz, apta para discernir os pensamentos e intenções do coração, e ela não voltará vazia, antes fará o que apraz ao coração de Deus e prosperará naquilo para o que foi enviada. Deus envia Sua Palavra para nos exortar, orientar e consolar. É uma palavra capaz de transformar as nossas vidas neste dia que se chama hoje.
Não somos capazes de mudar por nós mesmos, mas a Palavra pode gerar esta transformação. O desejar uma vida abundante é comprometer-se com a Palavra de Deus.
Recebamos de graça desta vida abundante e demos lugar para que a voz de Deus seja soberana em nossas vidas. Deus deseja mexer com certas sujeiras que estão decantadas em nossos corações, e quando a voz de Deus, comparada com a voz de muitas águas, começa a falar conosco, cria um certo turbilhão e a tendência é a sujeira ir para a superfície. Dessa forma, percebemos quanta sujeira temos em nossos corações. Conforme Deus vai falando, a tendência é transbordar essa água, a sujeira sair e passarmos a ter uma experiência de um fluir de água limpa e clara em nossas vidas.
Por Ailton Jacb de Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário